Logo amarelo da linguagem de programação Python em fundo azul-amarelado

Python é uma linguagem de programação interpretada, interativa e orientada a objetos

Python: linguagem popular com berço na comédia inglesa

python 4 de Mar de 2022

Ocupando o pódio entre as gigantes do mercado, Python conquistou a programação com sua estrutura madura, referência e humor

Muitas coisas aconteciam simultaneamente no mundo durante a década de 70, principalmente na tecnologia: basta dizer que o primeiro email foi enviado em 1971, por Ray Tomlinson. O que aconteceu também foi a estreia da sketch televisa de humor, Monty Python’s Flying Circus, na BBC britânica, em 1969. Esse pequeno evento televisivo influenciou gerações, incluindo — sim — programadores.

Você já deve ter pego a referência com o tema do artigo, certo? Em 1991, vinte anos depois, influenciado pelos roteiros surreais do seriado inglês, Guido van Rossum decidiu nomear a linguagem que desenvolvia em homenagem ao humor: então surge o Python.

Um fato histórico que une comediantes, tecnologia e programadores.

30 anos de tecnologia, humor e comunidade

Em poucas palavras e seguindo a definição deles, Python é uma linguagem de programação interpretada, interativa e orientada a objetos. Em tese é uma linguagem que combina velocidade com tipagem dinâmica e forte, “fácil-para-ler”.

Isso é apenas a superfície da tecnologia, já que existem fatores que influenciaram o seu crescente uso no mercado da programação.

Exatamente no meio entre JavaScript e Java, Python ocupa o pódio entre as gigantes que o mercado procura, e conquistou a programação com a sua estrutura madura — de mais de 30 anos — referência, humor e comunidade.

Maneira óbvia de resolver o problema: matemática e filosofia

Toda a filosofia da tecnologia é baseada no Zen of Python, uma coleção de 19 princípios que influenciam o design e a experiência de programar usando a linguagem.

“Beautiful is better than ugly, explicit is better than implicit, simple is better than complex”.

Guido van Rossum trabalhou na linguagem desde a década de 80 até 2018, quando se afastou do projeto. Antes de criar o Python, Guido fazia parte do time de desenvolvimento da linguagem ABC, na Holanda. Segundo ele — e com base nas demandas da época — existem três fundamentos que o guiaram no desenvolvimento do Python: legibilidade, extensibilidade e manutenção.

A filosofia central da tecnologia é baseada na frase: “deve haver uma - e de preferência apenas uma - maneira óbvia de resolver o problema”.

Data science e machine learning

Segundo o HackerRank Survey de 2020, 49,5% das empresas procuram por programadores com Python entre as habilidades, perdendo apenas para o JavaScript, com 53,6%.

Não há dúvidas sobre a referência do Python dentro da comunidade e do mercado, no entanto, há certos nichos que vale ressaltar sobre a usabilidade da tecnologia e seu ecossistema. Apesar de ser reconhecida por trabalhar bem com outras linguagens e ter um vasto uso, incluindo desenvolvimento web, o Python conquistou, ao longo da última década, espaço dedicado dentro do gerenciamento de dados em redes sociais e machine learning.

Em 2017, Python chamou a atenção por ser considerada a linguagem que mais crescia dentro da comunidade, segundo o Stack Overflow. A conclusão deles foi que havia um crescimento da tecnologia no meio dos setores de data science, machine learning e pesquisa acadêmica, bastava ver os números de perguntas relacionadas ao Pandas, biblioteca para manipulação de dados e análise.

Como consequência disso, as frameworks de desenvolvimento web com base no Python, como Django e Flask, também cresceram. Vários motivos explicam a preferência, entre eles as filosofias citadas anteriormente. Se querem ficar bem por dentro dos números do Stack Overflow, basta ver o survey deles de 2019.

Conhecimento e bagagem

A gente viu que Python está no mercado há anos, não é nenhuma novidade dentro da tecnologia. Concluímos que sua aplicação está cumprindo objetivos dentro de um nicho: o mercado de data science e machine learning, impulsionado nos últimos anos com a maturidade desse setor e de novas demandas. De novo, o embate de qual é a melhor linguagem é contra produtivo, você deve avaliar diversos fatores dentro dos ecossistemas.

A programação é complexa e nada é tão simples.

As únicas coisas que são vantajosas, em todas as situações, é o conhecimento e a bagagem de informações que você acumulou ao longo do tempo. A história da tecnologia não para.

Marcadores

Felipe Buzzi

Content writer @ Rocketseat